Começa mais ou menos assim
Fri, 16/08/2019

Por Fred Ferreira

 

Começa mais ou menos assim, ainda jovem você assiste filmes como Curtindo a Vida Adoidado, Karate Kid ou Meu Primeiro Amor, e quando se dá conta, ele já pegou você. O estilo de vida americano vem e influencia sua vida com suas grifes, comida, música e tantas outras coisas, e faz você sonhar e desejar viver aqui. O tempo passa, vem o trabalho, os relacionamentos, até mesmos os filhos e você pensa que aquele sentimento já passou, mas para alguns poucos mais apaixonados, como eu e você, ele continua crescendo e crescendo, e após assistir Jerry Maguire, no filme A Grande Virada, a abstinência pelo tal “estilo de vida americano” se encontra com uma dose de coragem, e quando menos espera, você já deu adeus ao Brasil.

 

Você chegou em terras norte-americanas, e tudo parece um sonho tirado de uma das centenas de filmes que assistiu, mas em pouco tempo você percebe que vai precisar de mais do que 120 minutos para ter sucesso nos negócios aqui, e que talvez esse foi apenas o primeiro episódio de uma série com muito capítulos dentro de muitas temporadas. Podemos ter como exemplo, o filme “A Busca pela Felicidade”. Nesse sucesso, Will Smith interpreta a história real de Chris Gardner, um nova iorquino com uma história de vida que reflete em muito o sonho de vida americano. O homem, que chegou a ser dono de um negócio multimilionário, começou como muitos de nós, com um sonho, várias necessidades e muita determinação.

 

Agora, você deve estar se perguntando: Mas afinal qual o segredo do sucesso de Chris e tantos outros homens de negócios? Seria o conhecimento? Uma boa formação? Dinheiro? Estrutura? Uma ideia nova? Sorte? Oportunidade? Ou seria um pouco de tudo isso? Acredito que todas essas coisas sejam muito importantes, mas depois de mais de 20 anos empreendendo, para mim o ponto chave para o sucesso de um empreendedor se resume em uma palavra: Resiliência. Quando vemos a história de grandes empreendedores como Henri Ford, Steve Jobs, Sam Walton, percebemos que o que determinou o sucesso destes homens – mesmo depois de serem traídos, perderem seus bens, economias, investidores e precisarem recomeçar várias vezes –, foi a marca da persistência, essa perseverança para continuar tentando. Quantos Henris, Steves e Sams desistiram pelo caminho e impediram o nascimento de grandes empresas!

 

A resiliência é a única coisa em comum entre homens diferentes que alcançaram o sucesso, com estudo ou sem estudos, com recursos ou sem recursos, com sorte ou sem sorte, eles venceram em cenários diversos, com dificuldades diferentes, mas todos tiveram a resiliência em comum.

 

Quero com essa coluna sobre “Empreendedorismo na América”, ajudar você a responder questionamentos como: Quais são as maiores dificuldades para empreender nos Estados Unidos? Quais as armadilhas que esse mercado pode ter para quem não tem conhecimento? Quais as principais diferenças e similaridades entre o mercado brasileiro e o americano? Também darei dicas para expandir seus negócios, entre outros assuntos que vão te ajudar a empreender com mais segurança e planejamento nos Estados Unidos. Entretanto, o mais importante no fim das contas, é o quanto você vai persistir, ser forte e acreditar no seu sonho.

 

Já sabemos que no final não poderemos dizer que não fomos avisados, porque se prestarmos atenção nos filmes que conhecemos, nosso amado estilo de vida americano, a resiliência sempre esteve lá, na volta por cima, no final que cada choro, em cada “não”, em cada nova tentativa e antes de conquistar o final feliz.